quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012


Depois de tudo o que passamos naquela tarde, deste-me um beijo a fugir na bochecha. Sinceramente, não sei se fui eu que fugi ou se foste tu. Mas depois de tudo fiquei magoada. Esperava outra reacção da tua parte. Esperava que me agarrasses, e me sussurrasses ao ouvido que não me querias perder e essas coisas todas melosas que precisava de ouvir. Mas tudo bem, agarrei em mim e sai do carro o mais rápido que pude, cheguei a casa em três tempos. Sentei-me junto da janela e as imagens daquela tarde vinham-me à cabeça. Comecei a sentir-me sufocada. Sentia-me usada. Levei as mãos à cara e chorei como uma desalmada...

3 comentários:

  1. olha, se queres continuar a ler o meu blog, passa por lá e vê o que escrevi, depois manda-me o teu mail (aquele que usas no teu blog), obrigada *

    ResponderEliminar
  2. afinal já não vou privar o blog, achei que não me devo dar a esse trabalho só porque certas pessoas andam às bocas por eu ter acabado uma relação de tanto tempo há pouco tempo e já ter um texto para um rapaz que é só meu amigo..

    ResponderEliminar

"Desaprender para aprender. Deletar para escrever em cima.
Houve um tempo em que eu pensava que, para isso, seria preciso nascer de novo, mas hoje sei que dá pra renascer várias vezes nesta mesma vida. Basta desaprender o receio de mudar"